Futuro das Cidades - Instituto Vedacit

A final por que Negócios de Impacto da Periferia?

Por Fabiana Ivo 

A periferia de São Paulo passou por grandes transformações ao longo dos últimos anos. Fazendo um recorte sob a ótica de negócios de impacto, algumas mudanças foram fundamentais para o surgimento de negócios periféricos. O surgimento de coletivos e eventos relacionados à cultura não só resgatou a identidade e levou a voz da periferia para o mundo, mas fomentou a criação de novos negócios.

Produtoras de notícias, editoras de livros de literatura marginal, negócios ligados à gastronomia e à moda são alguns exemplos. Conhecedores da carência na oferta de alguns serviços essenciais, alguns optaram por permanecer e desenvolver soluções empreendedoras que entregassem valor às suas comunidades de origem. Nos últimos anos, vemos crescerem negócios de impacto liderados por estes empreendedores em setores novos como educação, saúde e habitação. Empreendedores que não somente estudaram, mas que vivenciaram de perto os desafios relacionados a esses setores nas suas comunidades. A população periférica também fortaleceu sua consciência ambiental. Cresceu o número de organizações atuando na preservação de áreas de proteção ambiental em zonas periféricas.

Na outra ponta, cresceu também o número de consumidores conscientes que passaram a buscar serviços sustentáveis e produtos locais com um custo mais acessível, abrindo oportunidades para a criação de negócios de coleta de resíduos, de produção e venda de orgânicos e de turismo ambiental em áreas periféricas. É fundamental que a periferia seja protagonista da criação de soluções para seus próprios desafios e na busca pela redução das desigualdades. Os negócios periféricos precisam de parceiros, não de porta-vozes. Historicamente, o que sempre predominou foi a busca por construir soluções de fora para dentro, que se mostraram limitadas em sua capacidade de gerar impacto.

Há muita potência e conhecimento local que precisam ser ouvidos e valorizados. A periferia também está na vanguarda da economia criativa no compartilhamento e no consumo colaborativo, que historicamente fazem parte da cultura de seus morad

—————

Fabiana Ivo é diretora pedagógica da A Banca – Produtora Cultural Social de Impacto / Banda Abôrigens