Futuro das Cidades - Instituto Vedacit

Holanda inaugura o maior bicicletário do mundo | Opinião e Notícia

Em um país com mais bicicletas do que pessoas, encontrar vaga em um bicicletário pode ser um desafio. Mas a cidade holandesa de Utrecht está apresentando uma solução: a inauguração do maior bicicletário do mundo.

A estrutura de concreto e vidro tem três andares, que contam com racks de dois andares, com espaço para 12.500 bicicletas, desde bicicletas de carga até bicicletas de transporte público para aluguel.

Faz parte de um plano no qual centenas de milhões de euros estão sendo destinados ao aprimoramento da infraestrutura cicloviária em toda a Holanda, um país tão fervoroso em relação a seus veículos de duas rodas que está planejando incluir o ciclismo à sua lista de patrimônio imaterial.

“Estamos nos esforçando para torná-la [a Holanda] um paraíso para os ciclistas e ainda há muito a ser feito. Eu gostaria que usássemos melhor o que eu chamo de ‘a arma secreta’ contra o congestionamento, a má qualidade do ar nas cidades e as mudanças climáticas, que também é boa para sua saúde e sua carteira “, disse Stientje van Veldhoven, secretária de Estado para Infraestrutura.

De acordo com o Escritório de Estatísticas da Holanda, 60% de todos os deslocamentos a trabalho no país são feitos de carro e apenas um quarto de bicicleta – embora em Amsterdã, Roterdã, Haia e Utrecht (conhecida como região de Randstad) o ciclismo seja mais comum.

A demanda por transporte público está crescendo, as quatro cidades principais devem se expandir, e a Holanda tem lutado para cumprir seus compromissos com a crise climática, o que torna, então, incentivar mais o uso de bicicletas uma prioridade política.

Utrecht está promovendo o ciclismo como parte de uma política de vida urbana saudável. “Estamos contando com o ciclismo como uma forma saudável e sustentável de transporte para uma cidade em crescimento. O ciclismo está nos genes das pessoas de Utrecht, que, em 1885, construiu a primeira ciclovia da Holanda. Todos os dias, 125 mil ciclistas passam pelo centro da cidade para ir ao trabalho, à escola e à estação, e o maior parque de bicicletas do mundo fica perfeitamente nesta cidade global de ciclismo”, disse o vice-prefeito, Victor Everhardt.

A escala dos investimentos holandeses mostra que o ciclismo é mais do que apenas a questão do transporte, de acordo com a BYCS, uma empresa social por trás de uma rede internacional de prefeitos e bicicletas.

“O bicicletário em Utrecht mostra que você precisa de investimentos maciços em estacionamento para bicicletas, ciclovias e grande arquitetura, mas acreditamos que essa é uma das coisas mais impactantes que uma cidade pode fazer. Se você olhar para isso como uma transformação – como ela aborda a saúde mental e física, une as comunidades e aborda o uso de recursos e o meio ambiente – você coloca mais peso na questão”, disse o diretor de estratégia da BYCS, Adam Stones.

Mas alguns especialistas parecem cautelosos. Embora o Fietsersbond, uma organização de ciclismo holandesa, receba calorosamente o investimento, adverte que é irritante e contraproducente quando os bicicletários são combinados com uma política de intolerância ao estacionamento na rua – como no centro de Amsterdã, onde bicicletas estacionadas são confiscadas.