Futuro das Cidades - Instituto Vedacit

Arquitetas questionam como cidades podem ser mais inclusivas para mulheres.

O HAUS, caderno de arquitetura e urbanismo do jornal Gazeta do Povo, do Paraná, pulicou matéria sobre a inclusão das mulheres no ambiente urbano, a partir de um projeto apresentado na 3ª Mostra Bienal de Arquitetura para Curitiba. O projeto ci.da.de; substantivo feminino, realizado pelo escritório amb ateliê, em parceria com as arquitetas Fernanda Linero e Beatriz Teixeira, teve o objetivo de refletir como podemos planejar cidades mais igualitárias para todos, informa o jornal.

“Lambe-lambes foram colados em espaços públicos para provocar uma interação com os pedestres de forma democrática. Três temáticas foram escolhidas para estampar os cartazes: mobilidade, gestão pública e morfologia urbana. Além dos questionamentos, as arquitetas trazem informações úteis e citações de pesquisadoras sobre o direito da mulher à cidade”, explica a matéria.

A matéria explica as razões do projeto desenvolvido na cidade de Curitiba, no Paraná: “Já não podemos mais negligenciar as dimensões da desigualdade de gênero ao falar de cidade. Enxergamos a vontade coletiva feminina em questionar seus direitos e acreditamos na importância desse questionamento”, afirmam as arquitetas. “Entendemos que muitas questões são culturais mas iniciativas de projeto e gestão pública poderiam trazer melhoria na vida das mulheres na cidade. Um planejamento urbano que atende as minorias (mulheres, idosos, crianças, deficientes físicos) é bom para todo mundo“.

Além da intervenção urbana com os lambe-lambes, o projeto promoveu uma sessão do documentário Chega de Fiu Fiu, no Sesc Paço da Liberdade, seguida de um debate com a platéia, abordando a prática de violência de gênero e assédio nos espaços públicos das cidades.

Leia mais:

https://www.gazetadopovo.com.br/haus/urbanismo/arquitetas-questionam-como-cidades-podem-ser-mais-inclusivas-para-mulheres/