Futuro das Cidades - Instituto Vedacit

Cidades Inteligentes estão ganhando mais visibilidade no país.

Projetos de cidades inteligentes unem gestão municipal com tecnologia para melhorar a infraestrutura e qualidade de vida. Este é o tema de matéria publicada no portal Agora no RS, que traz três exemplos de administração que seguem essa iniciativa. Campinas, São Paulo e Curitiba são as três cidades que ficaram no topo do Ranking Connected Smart Cities 2019.

A matéria informa que “foram avaliadas 700 cidades brasileiras, levando em consideração 70 indicadores distribuídos nos eixos de mobilidade, urbanismo, meio ambiente, energia, tecnologia e inovação, economia, educação, saúde, segurança, empreendedorismo e governança.”

Segundo o site, “a maior cidade do interior paulista destaca-se, principalmente, no quesito economia. Também em tecnologia e inovação, Campinas conta com cinco parques tecnológicos e cinco incubadoras de empresas, e apresenta 4,9% de crescimento do número de entidades de tecnologia, mesmo em período de crise econômica.”

Em Curitiba, a tecnologia da informação e comunicação também é muito explorada. “Os aplicativos desenvolvidos pelo Instituto das Cidades Inteligentes (ICI), como Saúde Já, Curitiba 156, Curitiba App e Nota Curitibana, aproximam a população da gestão pública e aumentam a participação cidadã”, diz o site.

“Os 2,82 km de modais de transporte coletivo de massa e 3,87 km de ciclovias para cada 100 mil habitantes fazem da grande São Paulo uma referência em mobilidade urbana”, afirma a matéria. “Apesar de famosa pelo trânsito, a cidade chama a atenção por oferecer opções mais amigáveis ecologicamente. Além disso, o transporte interestadual tem ramificação para quase 700 destinos.”

Campinas também figura entre as cidades com maior índice de mobilidade: está aumentando investimentos em veículos elétricos e na mobilidade sustentável. Segundo o site, “o município conta com mais de dez ônibus e três táxis elétricos, além de ter 10 eletropontos, para recarga de veículos elétricos”.

No quesito urbanismo, o destaque vai para Curitiba. “A cidade possui 100% de atendimento urbano de água e esgoto, e toda a população urbana vive em área de médio e alto adensamento. O investimento da capital paranaense em urbanismo chega a R$602,60 por habitante.”

Para Amilto Francisquevis, do ICI, o uso da tecnologia abre portas para a integração. “Uma cidade inteligente não olha para os setores de maneira isolada. Todos fazem parte de um ecossistema integrado que afeta o dia-a-dia do cidadão”, avalia. Segundo ele, o processo de tornar as cidades mais inteligentes é gradativo e exige colaboração da gestão pública e também dos cidadãos.

Leia:  https://agoranors.com/2019/11/cidades-inteligentes-estao-ganhando-mais-visibilidade-no-pais/