Futuro das Cidades - Instituto Vedacit

Vida sustentável é a ideia central das futuras moradias

“Já parou para pensar como serão as casas, a vida em condomínio (comunidade), o dia a dia nas grandes cidades daqui a dez anos? Que papéis terão a tecnologia, a inovação e o conceito de desenvolvimento sustentável no futuro? Quais as tendências e apostas do mercado imobiliário?”. Estas questões abrem a matéria do jornalista Fábio Bittencourt, publicada no jornal A Tarde

O texto dia que, “segundo os especialistas, as respostas para as perguntas acima estão mais relacionadas às necessidades mais básicas do usuário e remetem à ideia de economia e otimização de espaços e recursos, compartilhamento, segurança, comodidade, iniciativas ecologicamente corretas”.

A matéria informa que o Conselho de Arquitetura e Urbanismo na Bahia (CAU) realizará, no dia 16 de dezembro, “o workshop Arquitetura para uma vida sustentável: a arte do diálogo. O evento acontece no Hotel Mercure, Rio Vermelho, com o objetivo de ampliar o debate sobre os temas”. De acordo com a presidente Gilcinéa Barbosa, o evento é um convite à mudança de pensamento a respeito da arquitetura feita nos dias atuais.  Ainda de acordo com ela, esta é uma área de conhecimento que se conecta a outras reflexões, “e nenhuma transformação social efetiva e duradoura acontece de modo solitário”.

Segundo a reportagem, “para o CEO da startup Noknox, Joaquim Venancio, as tendências para o futuro próximo, coisa de uma década, nem estarão tão voltadas para a realidade da automação, do uso de drones e robôs; mas sim para pilares como o da sustentabilidade, lógica da economia compartilhada e redução de custos”. O executivo completa dizendo que “a plataforma digital provê a comunicação entre usuários no compartilhamento de espaços de uso comum, como em condomínios e escritórios, a partir de uma série de funcionalidades, entre elas o controle e registro de visitantes, gestão de encomendas e correspondências, sistema de inteligência artificial.”

Ainda de acordo com ele, com a nova realidade surgem também outros desafios. “E um dos principais é criar condições para alinhar as inovações das residências e condomínios com a comunidade. É preciso preparar as grandes cidades para essa tendência”, afirma.

Diretor de planejamento urbano na prefeitura de Manaus, o arquiteto e urbanista belga radicado na Amazônia Laurent Troost explica que existem iniciativas recentes “muito promissoras” – algumas incentivadas por lei – como por exemplo a liberação de “fachadas ativas” em edificações, são de grande importância na composição do espaço urbano. “O recurso possibilita o impulsionando da microeconomia local a partir do funcionamento de um ponto comercial no lugar”.

Leia: http://atarde.uol.com.br/imoveis/noticias/2110702-vida-sustentavel-e-a-ideia-central-das-futuras-moradias